BlogBetoBuarque

  • 2571 Views
  • /
  • em música, criação, análise
  • /
  • por Beto Buarque

Para inaugurar o blog, não pensei em assunto melhor que este: O álbum Quero Tanto. Fazendo uma análise minuciosa, discorrendo sobre as ideias que envolvem o projeto e como se deu o processo de criação da temática e do estilo musical, pontos em que as faixas de um álbum normalmente estão relacionadas.

O ponto de partida foi o projeto acústico, com as músicas Quero Tanto, Meu Ninho, Rimas e Beijos e A do Batom, recebendo posteriormente a incorporação de mais 7 faixas inéditas, com a evidente constatação do romantismo peculiar a todas elas.

Não existe uma linha cronológica definitiva para o álbum. Ele não começa na primeira música, nem termina na última. E por que havia de ser tão pragmático? Nossos sentimentos, na maioria das vezes, não são claros e objetivos, não sabemos quando exatamente eles começam, como realmente são e nem é possível afirmar ao certo quando findam.

Música também é sentimento. A priori, o sentimento de quem produz, em seguida, ela ganha significado conforme as impressões que nossos sentimentos subjetivos fazem dela. Estando sempre aberta para receber um novo significado a cada nova reprodução. O mesmo verso que ontem me disse aquilo, hoje me disse isso. É a sensibilidade, tanto a de produzir quanto a de escutar, ou melhor, a sensibilidade de escutar, produzir e escutar novamente.

Conforme as humildes interpretações feitas através desta sensibilidade, o álbum ganhou o seguinte formato:

1 - Quero tanto traz o encantamento, a fascinação e o desejo, numa melodia harmoniosa com sua letra, suave e envolvente, como também forte e marcante.

2 - Teu sol nascer, autoria de Fábio Souza, vem para continuar a "dança", cada vez mais ritmada, cada vez mais embalada. O sol faz uma alusão ao verão, a estação marcada pelos novos encontros e novas paixões.

3 - Rimas e Beijos. Que não faltem para os apaixonados. Talvez a música mais intensa de todo o álbum, seja na distorção das guitarras, seja nessa vontade de arrancar o coração de tanto desejo. É a incontrolável atração, é o calor da paixão.

4 - Pro resto da vida. Nesse momento, há uma quebra proposital na linha rítmica do álbum, mas não no conceito e temática. Não sei se poderia dizer que a paixão amadureceu ou se o amor se revelou, o que eu acredito é que um sentimento que quer perdurar para sempre, ou pelo menos pro resto da vida, não é e nem pode ser agressivo, deve ser suave, deve acolher e ser acolhido. Quando escuto essa música, não penso apenas na relação entre um homem e uma mulher. Penso nas diversas formas de amor que o ser humano é capaz de sentir.

5 - Tempo, autoria de Danillo Gabriel, começa a trazer outras concepções ao álbum e mostra que nem tudo são flores. A abordagem é subjetiva, é uma transição, mostra que o tempo é necessário para revelar a essência das coisas e das pessoas e que está sempre em nossas mãos a decisão de como lidar com o que a vida nos proporciona.

6 - A do Batom é uma forma de resistir a algo que está enfraquecendo, que foi despercebidamente ficando descuidado. A letra e a produção instrumental foram colocadas como uma re-abordagem de eventos aludidos anteriormente.

7 - Uma vez é pura saudade. Inegavelmente saudade. É uma saudade que com sutileza suplica por alguém. Ela expõe uma certa fragilidade, notável desde as primeiras notas do violino, é uma das músicas mais curtas do álbum, na tentativa de fugir de um estigma de instabilidade.

8 - Coisas que fazem lembrar, mas lembrar de uma forma agradável, boa e saudável. Esta é a última etapa de uma transição, é a sublimação. Contrasta a linguagem púbere de garoto com uma ideia de estado atual de lucidez. Reconhece que o gostar é essencialmente bom, apenas por mostrar a beleza da ação de se permitir este sentimento.

9 - Meu Ninho é de uma paz e de uma tranquilidade afloradas. Revela um momento de serenidade numa relação com a natureza. É também desapego, é desprendimento, é uma busca que não é busca, é uma espera.

10 - Não quero mais falar de amor. É verdade. Essa música transborda verdade. É um desabafo, uma tentativa de apontar e explicar os diversos erros cometidos. Ela é também uma lição, subentendida desde a ambiguidade de seu título e explícita em cada verso.

11 - Viver e Crescer vem pra reiniciar toda a história, mostrando que tudo serviu como crescimento e aprendizado.

Há muito mais pra se falar de todas as músicas e do conjunto delas, mas é um espaço que quero deixar pra cada um ter suas próprias impressões.

Deixe seu comentário